Poesia, Crônica, Conto e Charge | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
57838 visitas/dia
1,5 milhão/mês
Digestivo Cultural
O que é?
Quem faz?

Audiência e Anúncios
Quem acessa?
Como anunciar?

Colaboração e Divulgação
Como publicar?
Como divulgar?

Newsletter | Disparo
* Histórico & Feeds
TT, FB e Instagram
Últimas Notas
>>> Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
>>> Fernando Pessoa, o Livro das Citações, por José Paulo Cavalcanti Filho
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais, de La Rochefoucauld
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Trágico e Cômico, o livro, de Diogo Salles
>>> Blue Jasmine, de Woody Allen, com Cate Blanchett
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
Temas
Mais Recentes
>>> A aproximação entre Grécia e Rússia
>>> América Latina, ainda em construção
>>> Isto não é um trote
>>> O cinema de Weerasethakul
>>> Para que serve a poesia?
>>> Sexo e luxúria na antiguidade
>>> Gerald Thomas: Cidadão do Mundo (parte III)
>>> Zizitinho Foi Para o Céu
>>> Um DJ no mundo comunista
>>> Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte II)
Colunistas
Mais Recentes
>>> Copa 2014
>>> Copa 2010
>>> Idade
>>> Origens
>>> Protestos
>>> Millôr Fernandes
Últimos Posts
>>> Portrait, sobre Mehldau
>>> Insensatez por Metheny
>>> Sontag sobre envelhecer
>>> Exit Music por Mehldau
>>> Chega de Saudade by Mehmari
>>> The Daily Zen Podcast
>>> Podres de Mimados, por Pondé
>>> CaKo Machini
>>> O direito à literatura
>>> Renato Alessandro dos Santos
Mais Recentes
>>> Lembranças de Ariano Suassuna
>>> Harold Ramis (1944-2014)
>>> Sergio Britto & eu
>>> Para o Daniel Piza. De uma leitora
>>> Joey e Johnny Ramone
>>> A Cultura do Consenso
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> Delírios da baixa gastronomia
Mais Recentes
>>> Jaime Pinsky
>>> Luis Salvatore
>>> Catarse
>>> Chico Pinheiro
>>> Sheila Leirner
>>> Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> O segundo e-book do Digestivo
>>> Momento cívico
>>> Digestivo Books
>>> Caixa Postal
>>> Nova Seção Livros
>>> Digestivo no Instagram
Mais Recentes
>>> A ousadia de mudar de profissão
>>> A lei da palmada: entre tapas e beijos
>>> Deus não é Grande, de Christopher Hitchens
>>> Homenagem à Coelhinha Ruiva
>>> Separar-se, a separação e os conselhos
>>> A arapuca da poesia de Ana Marques
>>> Entrevista com o vampiro
>>> O Instagram de Tony Hawk
>>> Um estranho incidente literário
>>> Anna Karenina, Kariênina ou a do trem
COLUNAS

Quinta-feira, 13/11/2003
Poesia, Crônica, Conto e Charge
Ricardo de Mattos

+ de 29700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O Melhor da Poesia Brasileira, O Melhor da Crônica Brasileira e O Melhor do Conto Brasileiro são os três livros formadores d’uma pequena colecção destinada a apresentar aos jovens alunos alguns dos nossos escritores e poetas. Três volumes pequenos com quatro autores cada. O termo comum aos títulos revela certa pretensão: O Melhor ... Dificilmente qualquer antologia traz “o melhor” de alguma coisa, sempre há faltas apontadas e escolhas lamentadas. O termo é perigoso inclusive se considerado o público alvo, cuja preguiça é critério de selecção: se o volume encerra exemplos da nata, para que ir além? Os livrinhos, todavia, não decepcionam, mormente o de contos. No mais são relançamentos autênticos, parece não ter havido substituição ou acréscimo de textos, desconfiança surgida ao deparar-me com referências aos militares da ditadura, ao governo de Getúlio Vargas e às Copas anteriores.

O volume de poesias foi o meu primeiro em muitos anos, pois entre estrofe e parágrafo prefiro este último. Seria melhor nomeado como O Melhor da Poesia Modernista Brasileira, por trazer os poetas Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira, João Cabral de Melo Neto e Vinícius de Moraes. Mesmo restringindo ao Modernismo, ainda faltariam nomes como Mário de Andrade e Cecília Meireles. Os poemas de Carlos Drummond de Andrade e Manuel Bandeira são aqueles velhos conhecidos de qualquer um a cursar o segundo grau, tantas as apostilas que os trazem. De Drummond, Cidadezinha Qualquer, Quadrilha, José; de Manuel Bandeira, Os Sapos, Pneumotórax, Poética, Tragédia Brasileira e outros tantos. Marcante, enfim, a intenção de levar à primeira leitura destes poetas. Vinícius de Moraes tem exemplificada sua cansativa e derramada indefinição entre prosa e verso em poemas como (O desespero da piedade) e Elegia ao primeiro amigo. Versos longos Manuel Bandeira também os fez – e posiciono-o entre meus preferidos ao lado do árcade Gonzaga e de Augusto dos Anjos –, porém com melhor engenho. O modus operandi de Vinícius parece ser aquele transbordamento delineado no poema O falso mendigo: “Minha mãe, manda comprar um quilo de papel almaço na venda/Quero fazer uma poesia...”.

O volume de crónicas vela um perigo. Tomemos como exemplo Luis Fernando Verissimo, o grande cronista da actualidade. Não me lembro o tempo exacto, mas digamos que ele já acumule seus trinta anos de jornalismo, trabalhando simultaneamente para vários jornais, dentre os quais alguns exigindo contratualmente o ineditismo. Além disso, escreve para mais de um caderno do mesmo jornal – o de esportes e o de cultura. Com estas premissas, como escolher suas dez melhores crônicas? Por este motivo o volume da colecção, com textos de Ferreira Gullar, José Lins do Rego, Rachel de Queiroz – Deus receba-a – e Sérgio Porto, não é o mais “forte”. As crónicas são de datação evidente e entre as de José Lins do Rego incluíram extratos de seus romances.

Acredito que nenhuma antologia de crónicas esteja completa sem trazer algo escrito por Humberto de Campos (1.886/1.934). Nascido no Maranhão e projectado à fama quando mudou-se para o Rio de Janeiro, foi o principal cronista de sua geração, assinando seus textos com o pseudónimo “Conselheiro XX”. Variou do humor de salão à sátira impiedosa, do lírico aos escritos de cunho moralizante. Os galicismos tornam o texto afectado, porém condizente com o momento. Quando dava lugar à sátira, tornava-se acre a ponto de oferecerem um prémio em dinheiro por sua mão direita. Algo como o governo de hoje pedir a mão de Diogo Mainardi. Seus livros trazem centenas de crónicas. Até mesmo sua crítica e seus perfis seguem o formato breve da crónica. Nos dias de hoje, falar em lirismo faz-nos lembrar do pastor protestante e psicanalista de origem mineira Rubem Alves. Quem se julga “lírico” deve começar a ler seus livros, começando pelo singelo Tempus Fugit e verificar se sua pretensão confirma-se.

O volume de contos é o melhor. Novamente Raquel de Queiroz, acompanhada de Origines Lessa, Josué Montello e Aníbal Machado. Os dois aprazíveis contos de Josué Montello – Vidas Apagadas e Numa Véspera de Natal – excluíram uma reserva imotivada de minha parte. Há uma harmonia impressionante entre as descrições das personagens e dos ambientes onde vivem e se esta é uma característica de sua obra, considero-a mui saudável. O mesmo preciosismo encontrei no simpaticíssimo conto Tati, a Garota escrito por Aníbal Machado, empatia quiçá provocada pelo convívio com um novo filhote em casa. A Casa do Morro Branco, de Rachel de Queiroz, lembrou-me bastante a primeira parte do romance Lucas Procópio de Autran Dourado. N’um conto biográfico, Orígines Lessa – de quem uma das netas trabalha no Fórum aqui de Taubaté – dá-nos um perfil de raro humanismo ao retratar o trabalho missionário de seu pai junto a doentes e moribundos; no outro trata com humor a estória de um time interiorano de futebol. Gostei do conto embora não goste do esporte.

Sobre Quino, o autor da Mafalda
Merece atenção o álbum Potentes, Prepotentes e Impotentes continente de charges políticas publicadas em jornais de Buenos Aires. Os livros referidos na coluna de hoje trazem muitos textos publicados inicialmente em jornais. Creio mesmo na imprensa periódica como a base por excelência do trabalho de cartunistas. A compreensão da charge é imediata e cada uma encerra sua ideia, dificilmente relacionando-se com a publicada no dia seguinte. Se há continuidade e estabelecimento de personagens fixos, talvez seja mais correcto falar-se de história em quadrinhos. Isso não significa que uma charge exija desenho único. O álbum traz algumas divididas em quadros e acredito que este fraccionamento não prejudique a caracterização. Acredito também que para o leitor diário não haja preocupação em saber até onde o trabalho deva ser considerado charge e a partir de qual ponto temos uma história em quadrinhos. Busca-se a ideia hilária, bem expressa através do desenho que a concentra, quer de linhas simples (página 86), quer extremamente rebuscado (página 85). E subtil: nem tão profunda que atrapalhe o leitor na leitura do jornal, nem tão superficial a ponto de ser tola. Novamente invoco Luis Fernando Verissimo, autor de tiras e charges com notável economia de traços e competentes na transmissão da mensagem.

Para ir além















Ricardo de Mattos
Taubaté, 13/11/2003

Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2003
01. Poesia, Crônica, Conto e Charge - 13/11/2003
02. Da Poesia Na Música de Vivaldi - 6/2/2003
03. Da Biografia de Lima Barreto - 26/6/2003
04. A Euforia Perpétua, de Pascal Bruckner - 5/6/2003
05. O Candomblé de Verger e Bastide - 16/10/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/5/2009
10h52min
Eu adoro os textos de Manuel Bandeira. Sou terceira série e já li vários livros dele, e até hoje eu gostei de todos! Beijos!
[Leia outros Comentários de larissa maria farias]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




>>> Espaço Público recebe Franklin Martins nesta terça (7)
>>> Observatório da Imprensa incentiva debate sobre a reforma política
>>> Estreia espetáculo PUTO
>>> Rio Fashion Day traz moda, beleza e gastronomia em atmosfera aconchegante
>>> Leda Nagle entrevista a cantora Leila Pinheiro nesta segunda (6)
>>> Natália Lage recebe o cineasta Vicent Moon no Revista do Cinema Brasileiro
* clique para encaminhar

José Olympio
Editora Conteúdo
Nova Fronteira
Editora Perspectiva
Arquipélago Editorial
Primavera Editorial
Civilização Brasileira
Globo Livros
Editora Record
Bertrand Brasil
Best Seller
Hedra
Companhia das Letras
Cortez Editora
WMF Martins Fontes
Intrínseca
LIVROS


HELIODORA
EUGÊNIO GIOVENARDI

De R$ 26,00
Por R$ 13,00
50% off
+ frete grátis



ADOBE DREAMWEAVER CS5
ADOBE CREATIVE TEAM

De R$ 144,00
Por R$ 72,00
50% off
+ frete grátis



CONCEPÇÕES ABERTAS NO ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA
REINER HILDEBRANDT-STRAMANN

De R$ 35,00
Por R$ 17,50
50% off
+ frete grátis



EVOLUÇÃO E CONVERSÃO
RENÉ GIRARD E ANTONELLO E CASTRO ROCHA

De R$ 59,00
Por R$ 29,50
50% off
+ frete grátis



MOZART 4 - O AMADO DE ISIS
CHRISTIAN JACQ

De R$ 48,00
Por R$ 24,00
50% off
+ frete grátis



BRANCA DE NEVE E O CAÇADOR
LILLY BLAKE

De R$ 29,90
Por R$ 14,95
50% off
+ frete grátis



AMOR ATÉ DEBAIXO D'ÁGUA
TORRE DEROCHE

De R$ 35,00
Por R$ 17,50
50% off
+ frete grátis



VIZINHOS
VERA LÚCIA DIAS E ROMONT WILLY

De R$ 28,00
Por R$ 14,00
50% off
+ frete grátis



O VÉU
LUIS EDUARDO MATTA

De R$ 52,40
Por R$ 26,20
50% off
+ frete grátis



CORRERIA - HISTÓRIAS DO UNIVERSO DA CORRIDA
SÉRGIO XAVIER FILHO

De R$ 29,90
Por R$ 14,95
50% off
+ frete grátis



busca | avançada
57838 visitas/dia
1,5 milhão/mês